"Nasci em Salvador e passei minha infância sempre mudando de uma cidade a outra devido a universidade dos meus pais. Morei em Belo Horizinte, Brasilia, Maceio, Inglaterra, Brasilia, Rio de Janeiro, aonde morei antes de mudar para a Alemanha.

Estudei artes plásticas no Parque lage de 1989 a 1992, fazendo parte do primeiro aprofundamento com professores como Beatriz Milhazes, Daniel Senise, Charles Watson, etc..

Estou já cerca de 20 anos na Alemanha! Inicialmente morei em Colônia aonde trabalhei como assistente de atelier de Antonio Dias e da artista americana Jack Ox. Esta realizava um trabalho de pesquisa sobre Kurt Schwitters, artista Dadaísta alemao. O trabalho de Schwitters acabou me influenciando bastante.

De 1995 a 1997 , estudei na Academia de artes de Düsseldorf com o Professor Christian Megert, onde a ligacao entre arquitetura e artes plásticas era o foco. Megert foi um dos fundadores do grupo Zero.

Estou morando em Berlim desde 1997 aonde tenho realizado vários projetos . Os mais recentes foram mostras coletivas na Galerie Eigen + Art , importante galeria no cenário de artes internacional.

Creio que o trabalho pode se desenvolver melhor em Berlim devido a distância, influências distintas se  desenvolveram ... tanto da arte neo concreta brasileira, como influências da arte alema atual assim como vestigios modernistas. No caso, dadaísmo e construtivismo...assim como toda experiência vivida, que de uma forma ou de outra sempre passa para o trabalho. Por exemplo, no meu trabalho outros elementos também sao importante, como a ciência. Certamente devido ao fato de ter sempre contato com temas da matematica e da física por conta do meu pai e seus amigos. E sem dúvida, o fato de ter sempre que me adaptar a novos códigos também influenciou o trabalho.

O trabalho se desenvolve em séries , aonde basicamente exploro opostos. Movimento e estática, espaço bidimencional e tridimensional...linhas e planos, claro escuro.

Sendo que  a questao do espaço tem se tornado o foco principal do trabalho atual. Exploro sistemas, estruturas encontradas na natureza e desenvolvo a partir de fotos e muitos desenhos os espaços negativos e positivos. As dobras no espaço me interessam.  Por isso, faço muitos desenhos pesquisando as possibilidades das formas e planos. Estes desenhos eram no inicio apenas estudos para as pinturas. Até que se tornaram uma linguagem autonoma , aonde a colagem e  planos recortatos no papel criaram um vocabulário próprio, deixando de ser apenas rascunhos . Neste processo surgiram instalaçoes aonde intercedo direto na parede, unindo pintura na parede com a da tela e com papéis. Linhas e planos, buscando um novo espaco, o espaço entre os espacos, uma quarta dimensao explorada na bidimensionalidade.

Outro elemento bem presente no trabalho atual é a colagem. No papel, ela corre como meio direto de criar linguagem e espacos. no Pintura , ela faz parte do vocabulário pictórico. Por vezes, aparece na pintura mais como uma decolagem. Esstes elemtos sao tirados da impressa , imagens que me interessam e tem uma qualidade pictórica que se encaixa no quadro o qual estou trabalho. Pode se dizer que a colagem acontece de forma intuitiva e poética.  Quebrando a rigidez dos planos e linhas, abrindo um novo espaço poetico aonde letras e números aparem fora de seu contexto original. Fragmentos de imagens da impressa e de propaganda, aonde mal se pode identificar do que se trata. Como se na avalanche de informaçoes disponíveis hoje em dia, uma ruído restasse apenas  nos vestígios das decolagens." Isabelle Borges