Francisco Faria (Curitiba, 1956) Cursou a Faculdade de Arquitetura da UFPR em 1974. Depois de uma vida universitária marcada pelo ativismo na política estudantil, forma-se e mantém um escritório de arquitetura, dedicando-se também ao desenho, sendo premiado no Salão Paranaense de 1982. Com o prêmio no Salão Nacional de Artes Plásticas (1983) Em 1984 recebe o prêmio de viagem para os EUA da Bienal de Santos. Segue para NY, onde vive entre 1984 e 1985. De volta ao Brasil em 1986, passa a integrar o grupo de artistas da Galeria Arco (SP). Recebe a Bolsa Fiat para Artes de São Paulo, realizando sua primeira individual no exterior, na Galeria do Brazilian-American Cultural Institut, em Washington. Muda-se para a Europa, vivendo em Colônia, Estocolmo e Viena, retornando depois para NY. Participa das Bienais Internacionais de São Paulo e de Havana (1994) e da primeira exposição de desenho brasileiro na China, no Yan Huang Art Museum de Beijing (1995). Ainda em 1995, monta Os poros flóridos no Instituto Wifredo Lam, em Havana. Três livros desse trabalho são editados no exterior: Los poros floridos (Cidade do México, Aldus, 2002), On the shining screen of the eyelids (San Francisco, Manifest Press, 2003) e Florid pores (em 1913, A journal of forms, Ohio, 2005). Entre 2004 e 2005, desenvolve o projeto Moradas nômades/Fímbrias, que ganha duas grandes mostras individuais, no Museu Oscar Niemeyer de Curitiba e no Instituto Tomie Ohtake de São Paulo. Expõe na Galeria Virgilio, de São Paulo, em abril/maio de 2007. Ainda em 2007 é lançado Sol sobre nuvens (São Paulo, Perspectiva, Col. Signos, coordenada pelo poeta Augusto de Campos), que reúne parte do trabalho desenvolvido com Josely Vianna nos anos anteriores. Em 2008 inicia um trabalho com Regina Pinho de Almeida atuando como produtora. No final do ano, uma mostra com cerca de 40 desenhos, a maioria em grandes dimensões, é inaugurada no Hyogo Prefectural Museum of Art, Japão, com curadoria de Koichi Kawasaki e Tadashi Kobayashi. A mostra no museu criado por Tadao Ando, ocupa uma ala inteira da instituição. No final do ano seguinte realiza uma individual no Rio de Janeiro, no Largo das Artes. No final do ano de 2010 Francisco começa a trabalhar com a Bolsa de Arte de Porto Alegre. Pela galeria, participa dos ciclos completos anuais de exposições em Feiras de arte realizado pela galeria, que inclui as feiras de arte de São Paulo e Rio de Janeiro, e as feiras internacionais de Dubai e Miami. Suas obras integram acervos públicos e privados, no Brasil e no exterior.